Notícia

Antecipando a Primavera... Miele e SPAIC promovem rastreio alergológico gratuito

Nos próximos dias 24 e 25 de Fevereiro, na Praça da Figueira em Lisboa, e no dia 3 de Março na Praça Parada Leitão no Porto, realizar-se-á o primeiro rastreio alergológico promovido pela Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) e pela Miele Portuguesa.

Doze especialistas estarão em permanência no local, das 10 às 18 horas, para efectuar o rastreio a todos os interessados que ali se desloquem.

Segundo a SPAIC, a realização de rastreios públicos desta natureza é de extrema importância para o despiste de factores de risco e diagnóstico precoce destas doenças e para a consciencialização do problema e sensibilização da população em geral, para além de constituírem, também, acções de extremo interesse educacional de saúde pública.

«Se o controlo da situação passa pela promoção da saúde, apostando na prevenção, então muito ainda pode ser feito.», adverte Dr. Mário Morais de Almeida, Presidente da SPAIC. «Uma imensa percentagem dos portugueses alérgicos, com múltiplos órgãos e sistemas afectados, não sabem que a sua doença pode ser abordada de uma maneira integrada e, especialmente, que podem ter uma boa qualidade de vida. A falta de informação impera», conclui.

A participação activa da Miele Portuguesa nesta iniciativa surge no âmbito do lançamento de uma linha de produtos tecnologicamente concebidos para pessoas com alergias – a gama Medicfamily – que procura dar resposta ao crescente número de doentes alérgicos com necessidades específicas e particularmente exigentes na limpeza da roupa e da casa. Fazem já parte desta linha de produtos uma máquina de lavar roupa, um secador de roupa e um aspirador.

A contribuição para a melhoria da qualidade de vida das pessoas alérgicas e o controlo eficaz das mesmas foi o motivo pelo qual a Miele Portuguesa se associou à SPAIC na realização deste rastreio e em outras iniciativas a desenvolver posteriormente.


O problema das alergias

É na época da Primavera que existe uma maior circulação de alergénios na atmosfera provocando o aparecimento das tão incómodas alergias. No entanto, são várias as manifestações de doenças alérgicas crónicas que se podem expressar ao nível das vias aéreas superiores (rinite) ou inferiores (asma) ou na pele (eczema atópico).

A asma, a rinite e a eczema são as doenças alérgicas mais frequentes no nosso país afectando um terço da população portuguesa e 40% da população europeia, de acordo com vários estudos efectuados. Estas doenças são desencadeadas por diversos factores, como as variáveis ambientais ou factores associados ao estilo de vida das sociedades ocidentais (alimentação, sedentarismo, uso excessivo de antibióticos, etc...).

O diagnóstico deve ser feito, em primeiro lugar, pela valorização dos sintomas e sinais e pela realização de exames complementares de diagnóstico que permitem caracterizar alguns aspectos causadores das manifestações clínicas e avaliar as repercussões da doença. A limitação da exposição a poluentes como o fumo de tabaco, a utilização de fármacos de controlo das agudizações ou de crises e o recurso a medicamentos anti-inflamatórios que permitem o controlo sintomático são alguns dos tratamentos existentes para as doenças alérgicas.