DirectorJosé Alberto Soares Editor Executivo Rui Miguel Falé Redacção Bruno Dias
Manuel Moreira
Paula Pereira
Sofia Filipe
Davide Carvalho (colaborador)
Fotografia Ricardo Gaudêncio (Editor)
Jorge Correia Luís
José Madureira
Agenda Copy DeskSérgio Baptista Director de ProduçãoJoão Carvalho Director ComercialJosé Maria Vilar Gomes Director de Produção Gráfica José Manuel Soares Directora de MarketingAna Branquinho Director de MultimédiaLuís Soares Publicidade
Departamente Administrativo e FinanceiroHelena Mourão (Coordenação)
Patrícia Curto
Cláudia Nogueira

Medicina e Saúde<sup>®</sup> 132 / Outubro de 2008 Saúde Pública<sup>®</sup> 73 / Outubro de 2008
Mundo Médico<sup>®</sup> 59 / Julho de 2008 Edições Especiais Saúde Pública<sup>®</sup> 1 / Maio de 2007
Edições especiais Mundo Médico<sup>®</sup> 95 / Junho de 2008 Informação SIDA<sup>®</sup> 70 / Setembro de 2008
Mundo Farmacêutico<sup>®</sup> 36 / Setembro de 2008 Jornal Pré-Congresso 1 / Setembro de 2008
Jornal do Congresso 51 / Outubro de 2008 Jornal Diário do Congresso 35 / Outubro de 2008
Saúde em Dia<sup>®</sup> 2 / Abril de 2007 HematOncologia<sup>®</sup> 3 / Outubro de 2008
 

Artigo de Saúde Pública®

Nº 57 / Março de 2007






04 Espaço Medicina Geral e Familiar
Novas tecnologias e prestação de cuidados de saúde primários
As tecnologias de informação são, hoje em dia, uma indispensável ferramenta de apoio à prestação de cuidados de saúde primários. Tudo à distância de um clique ou… de um telefonema.


Já imaginou como era viver sem as tecnologias de informação e comunicação? E se um bug informático eliminasse as bases de dados ou ficheiros clínicos dos utentes? «Estas já não são meras questões retóricas.
O sistema de saúde enfrenta hoje um dos seus maiores desafios: o desenvolvimento de um sistema de informação e a sua informatização com todos os perigos e benefícios daí decorrentes», assegura o Dr. José Luís Biscaia, médico de família e vice-presidente da Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral (APMCG).

As tecnologias de informação modificaram o paradigma de acesso aos serviços de saúde. O conceito de cartão de saúde do cidadão, que possibilita o acesso a todo o historial clínico, as dúvidas que se podem esclarecer por telefone ou por e-mail, sem necessidade de deslocação. Tudo isto representa um manancial de possibilidades que facilita o acesso à informação e reduz o risco clínico.

«Apesar de ser ainda uma situação residual, já é tecnicamente possível utilizar um portal para fazer marcações de consultas. Os conteúdos informativos, disponíveis nos vários sítios da Internet, podem ajudar os utentes a modificarem os seus comportamentos e as suas atitudes. As novas tecnologias capacitam o cidadão para lidar com as situações de doença, por exemplo, possibilitando a monitorização de alguns parâmetros vitais e sua informação para o profissional, bem como utilizar de forma adequada determinada medicação », garante.

As possibilidades das novas tecnologias são fundamentais ao utente e ao médico. Veja-se, por exemplo, a telemedicina. «Quando uma unidade de saúde familiar (USF) está ligada telematicamente a um Serviço de Dermatologia, é possível fazer rastreios do cancro da pele, enviando as fotografias das várias lesões suspeitas. Só serão encaminhados para a consulta de Dermatologia os utentes com potencial de risco», sublinha José Luís Biscaia.

Outra grande vantagem das novas tecnologias de informação é a prescrição informática. Este sistema permite alertar para e existência de interacções ou efeitos adversos de determinado medicamento. «A aplicação poderá, de forma rápida e expedita identificar um problema, reduzindo o risco e melhorando a prática clínica», refere o vice-presidente da APMCG.

Os rastreios preconizam a realização de exames à população considerada de risco. O papel do médico de família passa pela «sensibilização e informação dos utentes, de modo a esclarecer e facilitar a adesão a um programa desta natureza, mesmo quando não existe doença instalada», completa.

O médico de família trata uma população estável e acompanha o historial clínico do utente. Neste sentido, «a proximidade que mantém com os utentes permite mais facilmente identificar os doentes que necessitam ser submetidos a exame», resume.


Texto: Andreia Pereira

Comentários

ver comentários (0)

Deixe o seu comentário sobre este artigo