Director
José Alberto Soares Editora Executiva
Sofia Filipe Redacção Rui Miguel Falé
Bruno Dias
Manuel Moreira
Paula Pereira
Colaboradores
David Carvalho
F. Castro
Director Comercial
Miguel Ingenerf Afonso Assistente Comercial
Sandra Morais Directora de Marketing
Ana Branquinho Publicidade
Patrícia Branco
Director de Produção
João Carvalho Director de Produção Gráfica
José Manuel Soares Director de Multimédia
Luís Soares Ilustração
Joa Copy Desk
Sérgio Baptista Fotografia
Ricardo Gaudêncio (Editor)
Jorge Correia Luís
José Madureira
Revisão Ciêntifica
JAS Farma®

Apoios


Medicina e Saúde<sup>®</sup> 132 / Outubro de 2008 Saúde Pública<sup>®</sup> 73 / Outubro de 2008
Mundo Médico<sup>®</sup> 59 / Julho de 2008 Edições Especiais Saúde Pública<sup>®</sup> 1 / Maio de 2007
Edições especiais Mundo Médico<sup>®</sup> 95 / Junho de 2008 Informação SIDA<sup>®</sup> 70 / Setembro de 2008
Mundo Farmacêutico<sup>®</sup> 36 / Setembro de 2008 Jornal Pré-Congresso 1 / Setembro de 2008
Jornal do Congresso 51 / Outubro de 2008 Jornal Diário do Congresso 34 / Outubro de 2008
Saúde em Dia<sup>®</sup> 2 / Abril de 2007 HematOncologia<sup>®</sup> 3 / Outubro de 2008
 

Artigo de Medicina e Saúde®

Nº 125 / Março de 2008






52 Opinião: Cuidar dos cidadãos: o desafio dos enfermeiros
Como enfermeiros, estamos apostados em estar mais perto dos cidadãos para, em parceria com os mesmos, podermos ajudar a encontrar os caminhos que os capacitem a resolver os seus problemas.
- Enf.ª Paula Portela de Almeida, Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica.


«Enfermagem é a profissão que, na área da saúde, tem como objectivo prestar cuidados de Enfermagem ao ser humano, são ou doente, ao longo do ciclo vital, e aos grupos sociais em que ele está integrado, de forma que mantenham, melhorem e recuperem a saúde, ajudando-os a atingir a sua máxima capacidade funcional tão rapidamente quanto possível.» (Decreto-lei, n.º 161/96 de Setembro).



Assim, compete ao enfermeiro orientar e supervisionar, transmitindo informação ao utente que ajude a mudança de comportamento para aquisição de estilos de vida saudáveis ou recuperação da saúde, numa prática que tenha como intenção «cuidar» das pessoas e não só de lhes prestar cuidados, indo ao encontro destas para as acompanhar na promoção da saúde.

Para isso, torna-se essencial tecer laços de confiança, privilegiando o que pode contribuir para criar um sentimento de se estar a ser considerada uma pessoa, caminhar com ela no projecto que ela planeia, esclarecendo-lhe as dúvidas e apontando as alternativas possíveis. O autêntico cuidador está empenhado na singularidade da pessoa. As «pequenas coisas» que o enfermeiro faz neste processo, passam muitas vezes despercebidas aos olhos de um mundo mais preocupado com os valores económicos, mas o doente/
/família valoriza-as e integra-as no seu projecto de vida.

Reflectindo nestes aspectos, experimentando, de forma directa ou indirecta, as dificuldades dos utentes/famílias após um internamento hospitalar, um grupo de enfermeiros, ciente das suas responsabilidades e do mandato social da sua profissão, teve a iniciativa de se propor escrever uma série de artigos que possam informar os cidadãos e ajudá-los a viver melhor o seu quotidiano, face a alguns problemas que enfrenta ou que possa vir a enfrentar.

É importante passar do silêncio à voz, pois, existe um vazio na comunicação escrita deste grupo profissional para a população em geral. Assim, reconhecendo a realidade por todos constatada do envelhecimento global da população, no seio de uma sociedade em transformação, em que podem ocorrer problemas vários de saúde, muitas vezes em simultâneo, o aumento das doenças crónicas e das grandes dificuldades que estas acarretam aos doentes e famílias, propomo-nos opinar, esclarecer, ajudar a promover a saúde dos cidadãos, apontando sugestões concretas, recursos disponíveis, que levem a encontrar soluções para os seus problemas e promovam a sua saúde.

Deste modo, a manipulação e cuidados na manutenção de alguns dispositivos usados em determinadas situações de doença é uma das nossas preocupações, uma vez que o saber tranquiliza e o desconhecido angustia. O aumento das doenças e a exigência de uma gestão eficaz do regime terapêutico, bem como a diminuição ou controlo de efeitos secundários, é outra das nossas preocupações. Os cuidados paliativos, sobretudo as questões relacionadas com o controlo sintomático e o luto, são outra das áreas que pretendemos clarificar, dado o seu peso na qualidade de vida das pessoas/famílias.

Como enfermeiros, estamos apostados em estar mais perto dos cidadãos para, em parceria com os mesmos, podermos ajudar a encontrar os caminhos que os capacitem a resolver os seus problemas, pois, como refere Idalina Gomes, no seu livro recentemente publicado, «a parceria no cuidado de Enfermagem é uma questão de cidadania e uma aposta que pretendemos prosseguir».


Enf.ª Paula Portela de Almeida
Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica

Comentários

ver comentários (0)

Deixe o seu comentário sobre este artigo