Uma plataforma única para a divulgação da sua empresa!

Saiba como >>

Director
José Alberto Soares Editora Executiva
Sofia Filipe Redacção Rui Miguel Falé
Bruno Dias
Manuel Moreira
Paula Pereira
Colaboradores
David Carvalho
F. Castro
Director Comercial
Miguel Ingenerf Afonso Assistente Comercial
Sandra Morais Directora de Marketing
Ana Branquinho Publicidade
Patrícia Branco
Director de Produção
João Carvalho Director de Produção Gráfica
José Manuel Soares Director de Multimédia
Luís Soares Ilustração
Joa Fotografia
Ricardo Gaudêncio (Editor)
Jorge Correia Luís
José Madureira
Revisão Ciêntifica
JAS Farma®

Apoios


Saúde Pública<sup>®</sup> 81 / Junho de 2009 Edições Especiais Saúde Pública<sup>®</sup> 2 / Setembro de 2008
Mundo Médico<sup>®</sup> 63 / Março de 2009 Edições especiais Mundo Médico<sup>®</sup> 109 / Março de 2009
Mundo Farmacêutico<sup>®</sup> 40 / Maio de 2009 Informação SIDA<sup>®</sup> 74 / Maio de 2009
HematOncologia<sup>®</sup> 5 / Abril de 2009 Jornal Pré-Congresso 4 / Abril de 2009
Jornal do Congresso 68 / Junho de 2009 Jornal Diário do Congresso 44 / Junho de 2009
Saúde em Dia<sup>®</sup> 6 / Maio de 2009 <i>Outros Projectos</i> 2 / Abril de 2009
 
destaque

Artigo de Medicina e Saúde®

Nº 107 / Setembro de 2006






24 Opinião: A indústria do stress
- Dr. Álvaro Cidrais
Profissionais liberais e executivos, somos pequenas máquinas de uma indústria de ele­vada produtividade: a do STRESS. A indústria da saúde agradece!
O orçamento do Estado ressente-se. Pedimos demasiado ao corpo, embevecidos pelo sucesso e pela ambição, procurando o prazer e o prestígio, buscando as promessas de uma vida melhor!



Todos os anos é assim. Acabaram-se as férias! As pilhas estão recarregadas. Começa mais um ciclo incessante de desgaste e obrigações. Voltámos à pressão dos horários, iniciamos novos projectos, suportamos a rotina e aturamos a fúria jornalística que se debruça sobre a polémica, a violência e a guerra. Voltamos a ser sujeitos ao bombardeamento da publicidade.

Dobrados pelo peso das obrigações, pelas angústias ditadas pela escassez de tempo e de recursos, em função das nossas expectativas e ambições, cá vamos nós para mais um sprint fisiológico e emocional que irá acelerar o envelhecimento e enfraquecer o nosso sistema imunitário.

Tal como nós, os professores e as outras profissões com elevada autonomia e responsabilidade sofrem do mesmo.

Somos bombardeados por estímulos publicitários que, apesar de já nem lhes darmos importância, se infiltram no nosso cérebro e condicionam os comportamentos. Sofremos agressões constantes decorrentes da vivência com pouca cidadania.

Isto é stress, pressão, angústia!

Nesta altura do ano, a natureza recorda que somos humanos. Menos importantes que o Sol. Diminui a luminosidade e a insolação. Os dias tornam-se cinzentos e curtos. É o Inverno que se aproxima. Desencadeiam-se posturas passivas e pessimistas, depressivas.

Em consonância, aceitamos e criamos bloqueios emocionais e pensamentos circulares que facilitam a convivência com os «azares» da vida. Aprisionam-nos na falta de novas soluções e de uma maneira mais optimista de olhar a vida.
Mas, procuramos responder, de forma heróica, a todos os desafios da vida.

Para que tal aconteça com a maior qualidade possível, preparamo-nos. Vamos ao médico para enfrentar o trabalho, tomamos fortificantes, solicitamos ansiolíticos, atiramo-nos às actividades desportivas, compramos massagens, retomamos as consultas dos psicólogos e fazemos um check-up de saúde para que nada de mal nos aconteça!

Cheios de pressão (stress), desenvolvemos as nossas rotinas, sacrificamos o corpo – e, por vezes, as relações – para aumentar a produtividade. Esquecemo-nos de parar, reflectimos pouco. Não meditamos o suficiente. Não buscamos alternativas saudáveis e sustentáveis. Mantemos os hábitos do dia-a-dia.

Trocamos dinheiro por saúde, acreditamos que, assim, viveremos mais tempo e seremos mais felizes. As pes­soas e empresas que operam nesta á­reas aumentam o seu valor. O orçamento do Estado comparticipa parte desta economia. Todos pagamos!

Mas, infelizmente, a felicidade e a estabilidade do corpo e da alma não acontecem. O que ocorre é um mecanismo de descompensação constante que inflige graves danos à saúde física e mental de cada pessoa, desgastando as suas células, degradando os elementos básicos de suporte à vida e as suas relações. Mas, graças a estes paliativos e às ambições que perseguimos, muitas vezes, não o sentimos!

Todavia, todos os danos estão lá, até que o coração pare, a hipertensão dispare, o cérebro emocional desatine. É uma bomba relógio para os seres apressados desta sociedade. Mas será uma sina? Ou cada um de nós a poderá mudar?

Dr. Álvaro Cidrais
Geógrafo e Consultor
ver comentários (0)

Deixe o seu comentário sobre este artigo