Uma plataforma única para a divulgação da sua empresa!

Saiba como >>

Director José Alberto Soares

Coordenação Maria José Lages

Director Comercial Miguel Ingenerf Afonso

Assistente Comercial Sandra Morais

Directora de Marketing Ana Branquinho

Director de Produção João Carvalho

Director de Multimédia Luís Soares

Director de Produção Gráfica José Manuel Soares

Fotografia Ricardo Gaudêncio (Editor)
Jorge Correia Luís
José Madureira


Ilustração Joa

Apoios
Veja aqui a lista de Entidades que apoiam a revista Mundo Médico ®


Saúde Pública<sup>®</sup> 86 / Novembro de 2009 Edições Especiais Saúde Pública<sup>®</sup> 2 / Setembro de 2008
Mundo Médico<sup>®</sup> 66 / Setembro de 2009 Edições especiais Mundo Médico<sup>®</sup> 114 / Outubro de 2009
Mundo Farmacêutico<sup>®</sup> 42 / Setembro de 2009 Informação SIDA<sup>®</sup> 77 / Novembro de 2009
HematOncologia<sup>®</sup> 7 / Outubro de 2009 Jornal Pré-Congresso 4 / Abril de 2009
Jornal do Congresso 79 / Novembro de 2009 Jornal Diário do Congresso 46 / Novembro de 2009
Saúde em Dia<sup>®</sup> 8 / Novembro de 2009 <i>Outros Projectos</i> 8 / Dezembro de 2009
 


Artigo de Mundo Médico®

Nº 63 / Março e Abril de 2009






12 Cuidados Continuados e Unidade de Dor
- Dr.ª Teresa Ferreira
A Unidade de Terapêutica de Dor (UTD) do Hospital Central do Funchal é um centro multidisciplinar de tratamento de dor, estando dirigida quer para o tratamento da dor aguda, quer para a dor crónica.

Dentro da sua actividade de dor crónica tem particular destaque o programa «Um Hospital na Comunidade», que presta apoio a um grupo de doentes com ou sem patologia oncológica. Iniciámos a nossa actividade em Maio de 2000, em colaboração com os colegas dos Cuidados de Saúde Primários, após obtida toda a concordância e todo o apoio hierárquico.

Este programa teve e tem como objectivo o tratamento da dor em doentes em ambulatório, de forma protocolada de acordo com as normas da OMS, realizado em colaboração com a equipa de saúde dos Cuidados de Saúde Primários, que exerce a sua função assistencial plena com uma prestação dos cuidados continuados.

Procura, numa perspectiva multidisciplinar, promover o apoio integral ao doente e seus familiares, minorar o seu sofrimento, controlar a dor, apoiar o utente e família, diminuir ou evitar internamentos hospitalares, reduzir o número de consultas não planeadas ou recursos ao Serviço de Urgência, promover a autonomia do doente, da família, dos prestadores de cuidados, estabelecendo uma parceria com os centros de saúde. Contribui de uma forma decisiva para uma maior interacção entre a prestação dos cuidados primários com os médicos de família e a actividade hospitalar e deste modo permite economia de custos.

É importante para nós promover a qualidade de vida, se possível, prolongá-la e proporcionar uma morte serena e tranquila no seu ambiente familiar, junto dos seus familiares, avaliando sempre o grau de satisfação do doente e família. Tudo isto só se consegue com o a colaboração efectiva de uma equipa multidisciplinar constituída, entre outros, por: Médico de Família, Enfermeiro, Serviço Social, Farmácia, Psicólogo, Nutricionista e Ajudante Domiciliária.

Este programa domiciliário é prestado por 3 médicos desta Unidade, com a colaboração eficiente e dedicada das 4 enfermeiras da Unidade de Terapêutica de Dor e dos médicos e enfermeiros do centro de saúde da respectiva área de residência do paciente.

Tem sido efectuado todas as 2.ª feiras (médico, enfermeira da UTD e enfermeira do Centro de Saúde), 4.ª e 6.ª feiras (Enfermeira da UTD e Enfermeira do Centro de Saúde). Prestamos serviços em todos os concelhos da Madeira, com excepção do Porto Santo, devido à dificuldade de transporte.

A visita domiciliária é planeada com antecedência, através do contacto telefónico com o enfermeiro do Centro de Saúde e com o familiar do doente, de acordo com a dependência, debilidade e complexidade da patologia, dando prioridade a doentes submetidos a técnicas e terapêuticas especiais, tais como via epidural, intratecal, subcutânea, transdérmica.

O papel do enfermeiro é fundamental, pois, é o elemento de interligação doente/família e a UTD. É ele que faz o ensino e aconselhamento familiar e transmite a informação, de modo a dar continuidade aos cuidados.

Nestas visitas domiciliárias, é importante:

– Valorização do estado geral do doente;
– Avaliação e registo da dor;
– Orientação terapêutica;
– Preenchimento de DIB e PCA;
– Alimentação/hidratação;
– Controlo da obstipação,
– Higiene oral;
– Mobilização;
– Distracção/ocupação.

Temos como objectivo um conceito proferido por Claude Bernard: «Se não pudermos dar dias à vida, então demos vida aos dias.»



Dr.ª Teresa Ferreira
Unidade de Terapêutica de Dor, Hospital Central do Funchal

Comentários

ver comentários (0)

Deixe o seu comentário sobre este artigo

Este é um espaço que visa promover a partilha de ideias, opiniões e experiêncas sobre os temas abordados nos nossos artigos. Participe! Outros poderão beneficiar do seu comentário.
Não é aqui facultado qualquer tipo de aconselhamento médico!